‘Não sei o que dizer aos pais’, afirma sócio da Kiss que segue internado

Publicado: 4 de fevereiro de 2013 em noticias

Incêndio em casa noturna no último domingo deixou 237 mortos.
Elissandro Spohr está internado sob custódia em hospital de Cruz Alta.

Giovani Grizotti Do G1 RS, com informações do Fantástico

sócio (Foto: Reprodução/RBS TV)
Abalado, Kiko falou sobre a tragédia que matou 237 pessoas (Foto: Reprodução/RBS TV)

Internado sob custódia policial desde o último domingo (27), Elissandro Spohr, o Kiko, um dos sócios da boate Kiss, apresentou sua versão sobre o incêndio que matou 237 pessoas em Santa Maria. Em depoimento exclusivo ao Fantástico, ele falou sobre as falhas nos mecanismos de prevenção de incêndio que contribuíram para a tragédia (veja o vídeo). Kiko, 29 anos, está no Hospital Santa Lúcia, em Cruz Alta, a cerca de 130 quilômetros de Santa Maria.

“A pergunta que eu mais tenho medo é ‘o que dizer aos pais?’ Eu não sei o que dizer aos pais”, afirmou Kiko, em depoimento gravado com um telefone celular pelo advogado Jader Marques, a partir de perguntas encaminhadas pela RBS TV. Abalado e com prisão temporária prorrogada por mais 30 dias, Kiko não come direito e recebe acompanhamento de um psicólogo e um psiquiatra. “Não vou poder voltar a morar em Santa Maria. Não sei se vou ser preso, não tenho mais banda. Não sei se eu ainda tenho amigo”, desabafou.

Segundo um dos sócios da boate Kiss, havia de 600 a 700 pessoas no local na madrugada do incêndio. Ele chegou ao local por volta da 1h de domingo. “Eu geralmente eu entro e pergunto: ‘E aí, como é que tá?’. ‘Tá bom, tá razoável, deve ter umas 700 pessoas’, disseram. Entrei e realmente acredito que tinha perto de 600 a 700 pessoas” disse Elissandro.

A banda nunca falou comigo sobre os fogos. Nunca autorizei”
Elissandro Spohr, o Kiko, um dos sócios da boate

“O meu cliente não sabe o número exato de pessoas que havia  na casa aquela noite. Porque ele não fez a verificação, a noite foi interrompida. O mais importante é que o meu cliente nunca recebeu dos bombeiros, da prefeitura ou de quem quer que seja uma limitação quanto ao número de pessoas da casa”, afirmou o advogado Jairo Marques.

Durante as investigações, o Corpo de Bombeiros informou que a boate estava autorizada a comportar até 691 pessoas. A polícia acredita que na noite do incêndio havia mais de mil pessoas no local. Segundo o advogado Jader Marques, 850 convites foram impressos para a festa Agromerados, que reunia universitários de seis cursos da Universidade Federal de Santa Maria.

“A capacidade da casa, eu nunca tive informação. Não sou um perito, não fiz legislação, não sou estudado nisso”, alegou o sócio da Kiss. Sobre o momento em que percebeu as chamas, o empresário declarou ter gritado para que as portas fossem abertas. “Saí gritando ‘abre, abre tudo que é sério!’. Eu mesmo abri as portas, inclusive”, garantiu.

Segundo testemunhas ouvidas pela polícia, seguranças teriam impedido a saída dos frequentadores em um primeiro momento por acreditar que se tratava de tumulto ou briga. Alguns alegaram que os seguranças não queriam deixar os jovens saírem sem pagar a comanda.

sócio (Foto: Reprodução/RBS TV)Kiko está internado sob custódia em hospital de
Cruz Alta (Foto: Reprodução/RBS TV)

Elissandro disse que as próprias vítimas trancavam a saída da boate na hora do incêndio. “Tinha pessoas caindo e eu levantava as pessoas, tentava tirar para fora. Gritava ‘sai, pelo amor de Deus, sai todo mundo, sai todo mundo! Vamos sair que é sério, sai todo mundo!’”, afirmou.

Kiko garante que não autorizou o uso de fogos pela banda Gurizada Fandangueira, versão que foi contestada pelo produtor da banda, Luciano Bonilha, que afirmou ter feito outros shows com o uso de pirotecnia na casa noturna.  “A banda nunca falou comigo sobre isso. Eu nunca autorizei isso. Faz dois anos, eu acho, que a banda toca lá. Eu vi no mínimo 30 shows deles. Nunca fizeram isso, nem na Kiss. Vi shows deles em outros lugares, eles também nunca usaram isso. Se eu soubesse que iam usar, não deixaria” assegurou Elissandro.

“Lá na Kiss nenhuma vez, em nenhuma oportunidade, aquela banda utilizou fogos”, alegou Marques. Segundo as investigações, o grupo era conhecido pelos shows pirotécnicos. Naquela noite, foi usado um produto que deveria ser usado em ambientes abertos.

O dono da boate também se manifestou sobre as adequações no sistema de prevenção de incêndio realizadas em duas ocasiões pela empresa Hidramix. A indicação da empresa teria sido feita pelos próprios bombeiros responsáveis pela vistoria.

“Quando eu entrei de sócio na boate, a boate já estava em funcionamento com alvará de bombeiro, tudo. Eu só renovava. Um ano eu renovei, os bombeiros estiveram lá e detectaram que as minhas portas, que eram já dessas de incêndio, que bate e abre, estavam ultrapassadas. Foi o que eles me disseram. E me indicaram uma empresa chamada Hidramix, que era de um antigo colega deles, que fazia todo esse sistema operacional pra mim” disse Elissandro. Procurada pela RBS TV, a direção da empresa Hidramix não retornou os recados deixados no celular. O Corpo de Bombeiros diz que só vai se manifestar depois de concluído o inquérito.

Amigos e familiares seguem com as homenagens às vítimas do incêndio na boate Kiss (Foto: Marcio Luiz/G1)Após a tragédia, boate virou local de peregrinação
de amigos e familiares das vítimas
(Foto: Marcio Luiz/G1)

Em relação ao alvará da boate, vencido desde julho de 2012, o empresário admite que pode ter ocorrido uma “falha”. “Quando veio uma notificação, imediatamente pedi que meu cunhado Ricardo e minha irmã fossem até os bombeiros e encaminhassem a papelada para deixar tudo em dia” garantiu.

“O alvará nunca esteve atrasado. Ele sempre esteve em dia, as coisas sempre estiveram em dia. Extintores em dia, as portas. Conforme foi solicitado, aqui se fez, a gente fez tudo. Nunca me neguei a fazer nada”, disse.

Após reclamações de vizinhos sobre o barulho, Kiko teve de fazer uma obra para aumentar o isolamento acústico da casa. Foi a espuma usada no isolamento que, ao queimar, liberou um gás altamente tóxico. Segundo o empresário, quem acompanhou a reforma foi um engenheiro identificado como Miguel Ângelo Pedroso.

“As opções eram gesso ou espuma. A espuma eu achava horrível, muito feio. Eu optei pelo gesso. Porém continuou o barulho. Eu voltei a chamar o Pedroso para trocar uma ideia, ver o que fazer. A gente botou espuma e madeira por cima. Concreto. E aí, por fim, espuma. Eles queriam que eu botasse espuma em toda a boate. Mas até que não precisou botar em toda a boate. Eu botei só no palco. Para mim, não pegava fogo. Eu sabia que ela era usada em estúdios e que essa era o material usado” afirmou Elissandro.

O engenheiro Miguel Ângelo Pedroso negou que tenha indicado o uso da espuma na boate. “Eu tenho uma quantidade grande de projetos e de laudos acústicos. Jamais em algum projeto acústico eu aconselhei usar espuma”, afirmou Pedroso.

Eu estava vivendo um sonho. Nunca tive uma vida tão boa. E acabou”
Kiko, sócio da Kiss

Chorando compulsivamente, o empresário descreve a tragédia como um “sonho que acabou”. “Para mim, a Kiss era um sonho que eu tinha. Eu tenho uma banda, eu toco. Entrava dentro da Kiss e cumprimentava todo mundo. Todo mundo me conhece, todo mundo sabe o quanto eu batalhei. Eu sempre me preocupei em ter uma coisa que eu pudesse realizar e eu estava vivendo um sonho. Eu nunca tive uma vida tão boa. E acabou”, disse Kiko.

Elissandro ainda disse que não sabe o que vai ser de sua vida a partir de agora. “Eu não vou poder voltar a morar em Santa Maria. Não sei se vou ser preso, não tenho mais banda. Não sei se eu ainda tenho amigo”, desabafou. “A pergunta que eu mais tenho medo é uma dessas: “O que dizer aos pais?” Eu não sei o que dizer”, afirmou Kiko.

Número de feridos
Diminuiu para 97 o número de pessoas internadas em hospitais do Rio Grande do Sul após o incêndio na boate Kiss durante uma festa universitária no último domingo (27). Na ocasião, 237 morreram. No final da tarde deste domingo, um novo balanço foi divulgado pela Secretaria Estadual da Saúde, mostrando que mais quatro pacientes receberam alta em Santa Maria.

Segundo as informações da Secretaria, os pacientes permanecem internados em hospitais de cinco cidades gaúchas: 42 em Santa Maria, sendo seis em ventilação mecânica. Outros 50 estão em Porto Alegre (29 em ventilação mecânica). Há ainda três feridos em Canoas, um em Caxias do Sul e um em Ijuí, todos sem ventilação mecânica. Além das altas, o número de pacientes que respiram com o auxílio de aparelhos também diminuiu.

Na noite de sábado, Bruno Portella Fricks, 22 anos, que estava no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, não resistiu aos ferimentos e morreu, sendo a 237ª vítima da tragédia. Na tarde deste domingo (3), o médico Marcelo Cypel, especialista em transplante de pulmão e cirurgia torácica e diretor do programa de suporte pulmonar extracorpóreo da Universidade de Toronto, no Canadá, chegou a Porto Alegre para ajudar no tratamento dos feridos.

Entenda

O incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, região central do Rio Grande do Sul, deixou 237 mortos na madrugada do último domingo (27). O fogo teve início durante a apresentação da banda Gurizada Fandangueira, que fez uso de artefatos pirotécnicos no palco. De acordo com relatos de sobreviventes e testemunhas, e das informações divulgadas até o momento por investigadores:

– O vocalista segurou um artefato pirotécnico aceso.
– Era comum a utilização de fogos pelo grupo.
– A banda comprou um sinalizador proibido.
– O extintor de incêndio não funcionou.
– Havia mais público do que a capacidade.
– A boate tinha apenas um acesso para a rua.
– O alvará fornecido pelos Bombeiros estava vencido.
– Mais de 180 corpos foram retirados dos banheiros.
– 90% das vítimas fatais tiveram asfixia mecânica.
Equipamentos de gravação estavam no conserto.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s